Os perigos da tecnologia na infância. Os dispositivos e os jogos eletrônicos, celulares, Iped, tablet, influenciam diretamente na maturação cognitiva, afetiva e social das crianças, á OMS organização mundial da saúde adverte que crianças de menos de dois anos de idade não tenha acesso ao uso de telas interativas, pelos danos causados no desenvolvimento.
Pensando nisso nasceu o livro os perigos da tecnologia na infância, onde os pais, profissionais da educação e da saúde como psicólogos, psiquiatras e pediatras podem compreender essa nova demanda.

O livro proporciona esclarecimento sobre a temática, bem como dicas de como lidar com uso da tecnologia na infância de forma positiva e a favor do desenvolvimento.
A sicidade mudou a sua forma de se comunicar e com essas transformações é importantes que pais e profissionais, aprenda a lidar com essa nova demanda de crianças e adolescentes que passam maior parte do seu dia conectado.
Estudos apontam que 1 em cada 4 adolescentes brasileiros é viciado em Internet. Por isso é importante saber, qual o limite? restringir ou incentivar ao uso ?. Com a leitura deste livro você esclarecerá todas as suas duvidas; tendo um capitulo reservado aos pais, educadores e psicólogos.

Vantagens

Este e-book proporcionam uma série de facilidades, os pais compreenderão quais os riscos que os filhos estão expostos na internet, que muitos transtornos psicológicos pré existentes podem ser intensificados com o uso da tecnologia, receberão dicas de quando e como deve ser inserido a tecnologia no desenvolvimento infantil e dicas para controlar o limite de uso. Para profissionais da educação, possui vantagens de desvantagens do uso da tecnologia na educação e dicas de como incluir no projeto politico pedagógico. Para os profissionais psicólogos, como diagnosticar e quais são as intervenções ideias dentro da abordagem psicologia cognitivo comportamental. Além disso para o hábito da leitura proporciona ;Praticidade,Preço em conta, ecológico,durabilidade tudo isso de forma resumida.

COMPRAR AGORA

os perigos da tecnologia na infancia

Dezenas de estudos, realizados em 31 países, demonstram que a dependência de internet é um fenômeno global, com prevalência em torno de 6%, e que pode estar associado a comorbidades, como: transtorno de déficit de atenção ou hiperatividade, transtorno depressivo e ansiedade social.

Na internet, além de muitas informações, são encontrados meios de    entretenimento (Pirocca, 2012), razão da grande utilização para fins que não sejam apenas estudo ou trabalho. Entretanto, vale ressaltar que tem aqueles idosos que ainda preferem obter informações e entretenimento por meios alheios à internet.

Uma pesquisa realizada por Piconetal (2015), no contexto clínico, concluiu   que as principais dependências por tecnologia, desencadeadas em pacientes que recorreram ao tratamento psicoterápico foram as provenientes da utilização de: jogos eletrônicos, redes sociais, pornografia on-line e smartphones. As redes sociais são o desdobramento da dependência de internet mais citado pelos pacientes, que, direta ou indiretamente, pode estar associado ou relacionado às outras formas de dependências.

As redes sociais

As redes sociais são as mais acessadas por vários fatores, sendo que o principal deles deve-se ao modo do seu funcionamento, ou seja, diversos mecanismos são utilizados para a estimulação do constante retorno a elas,  a saber, notificações de atualizações nas contas dos contatos, diversas opções de interações (curtir, comentar, compartilhar e trocar mensagens instantâneas). Trata-se de uma estratégia de marketing embutido, com o intuito de agregar mais usuários às redes, considerados potenciais  consumidores de  produtos e serviços. Nesse sentido, destacam-se o Instagram, o Facebook e o Twitter.  Esses tipos de redes sociais fazem com que o usuário queira saber quantas curtidas e/ou comentários suas postagens receberam, fazendo com que os indivíduos queiram conferir, constantemente, o que está ocorrendo em seus perfis virtuais.

Receber diversas curtidas no Facebook age diretamente no cérebro via circuito de recompensa, gerando picos de bem-estar e satisfação comparáveis a outros conhecidos desencadeadores de prazer, como, por exemplo: se alimentar, fazer sexo e, até mesmo, usar drogas. Na maioria das vezes, esses desencadeadores já conhecidos estão ausentes na vida cotidiana de alguns idosos.  E, nesse sentido, tais sensações tornam-se melhores que a indiferença recebida de algumas pessoas que os cercam, por vezes, as únicas, devido à ausência de companhias reais prazerosas. Contudo, percebe-se, também, o inverso, ou seja, o fato de não receber o quantitativo de curtidas ou obter a repercussão esperada, leva o sujeito a sentir um vazio intenso, que pode ser semelhante ao do dependente de jogo, por exemplo, quando percebe que sua dependência o   levou a sérios danos financeiros, despertando, em si, a fissura por voltar a jogar, na tentativa de recuperar tais danos.

Veja também

Oque é dependência tecnológica

WhatsApp Chat
Enviar via WhatsApp